ANÁLISE

ALTA RODA

Corrida contra o tempo


Pressionados por elétricos, motores a combustão vão ficar mais econômicos


Nada como uma “ameaça” de médio ou longo prazo a qualquer negócio para chacoalhar a criatividade humana. No caso de propulsão veicular, o esforço técnico aumenta muito e, acima de tudo, os investimentos em pesquisa e desenvolvimento.

Acontece agora com os motores a combustão interna, que precisam diminuir o consumo de combustíveis fósseis de todas as maneiras para lidar com o avanço inevitável da tração elétrica. Os resultados medem-se pelas emissões de gramas de CO2 por quilômetro rodado. Esse parâmetro se aplica também aos carros a bateria porque a fonte de energia elétrica para recarregá-la emite CO2 em diferentes níveis.

Uma das polêmicas atuais envolve a “régua” para medir o consumo na vida real, ou seja, fora dos rolos dinamométricos que garantem repetibilidade e previsão, essenciais nas medições. Nos Estados Unidos e no Brasil isso se dá por meio de um fator de correção fixo, solução considerada dentro do velho chavão de pecar por excesso. Mas da Europa vêm agora boas notícias.

Se o consumo em condições reais de uso é o que importa, as entidades vigilantes do meio ambiente Transport & Environment e France Nature Environnement juntaram-se ao Bureau Veritas e publicaram novo protocolo de testes confiável, fruto de rigoroso processo científico. O existente Novo Ciclo Europeu de Condução (não tão novo, criado há quase 20 anos) sempre foi criticado por ser brando demais e ficar longe da realidade. Não é válido compará-lo com os resultados do Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular.

O primeiro grupo automobilístico a aderir foi a PSA (Peugeot, Citroën e DS). As medições são efetuadas em eixos urbanos e rodoviários públicos, abertos ao trânsito em condições reais de condução (utilização da climatização, pesos de bagagem e passageiros, além de declives e aclives) e com condutores não profissionais. A repetibilidade e precisão são praticamente equivalentes às de laboratórios.

Passo seguinte está na adoção de novas tecnologias que em um primeiro momento podem até ser caras, mas fundamentais para que os motores a combustão sobrevivam por mais algumas décadas. Há várias sendo desenvolvidas ao mesmo tempo, das quais merecem destaque:

• Sistema elétrico de 48 volts
• Compressor elétrico para turbos
• Ciclo Atkinson/Miller (modificação do tradicional Otto)
• Desligamento de cilindros
• Transmissão com roda-livre
• Taxa de compressão variável

O Brasil também precisa entrar nesse esforço mundial. Em 2030 terá de importar algo como 400 mil barris/dia de gasolina, três vezes mais do que hoje, mesmo sendo exportador líquido de petróleo. Ideal seria cobrir esse déficit com uso de etanol, combustível praticamente neutro em emissões de CO2. No recente 2º Seminário Internacional sobre Uso Eficiente de Etanol, realizado no Rio de Janeiro, foram discutidas soluções viáveis e a custos palatáveis.

Entre as boas alternativas propostas, Ricardo Abreu, diretor do Sindipeças, sugeriu aumentar a atratividade desse combustível renovável de baixíssima pegada de carbono por meio do etanol hidratado com baixo teor de água (apenas 1% contra os atuais 5% em massa). O Brasil hoje representa apenas um quarto da produção mundial de etanol e isso talvez viabilizasse a adoção de motores flex em mais países.

RODA VIVA

COMO OUTUBRO mostrou estabilização (por dias úteis de vendas), Anfavea supõe uma reação de mercado em novembro e dezembro. Mesmo porque os dois últimos meses do ano passado foram bastante fracos, o que favorece a base comparativa. A entidade ainda espera que as vendas totais (incluindo comerciais leves e pesados) se aproximem de 2,1 milhões de unidades.

ESTOQUES em fábricas e concessionárias estabilizados em 40 dias (setembro versus outubro) sinalizam que a produção, influenciada pelas exportações em alta e a aceleração na Volkswagen depois de mais de 30 dias parada por desentendimento com fornecedores, “salve” o faturamento da indústria nestes dois últimos meses do ano. A conferir.

FIAT completou a linha Toro com motor flex de 2,4 litros, 174/186 cv e 23,6/24,9 kgfm (gasolina/etanol). A estratégia é oferecer a picape, na versão única Freedom por R$ 98.730 e câmbio automático de 9 marchas ao mesmo preço da diesel 4x2 com câmbio manual. Desempenho melhorou bastante em relação ao de 1,8 litro, apesar de previsível consumo elevado.

MARCA DE PESO no mercado de mapas digitais, a Here (propriedade de Audi, BMW e Daimler) busca ampliar espaço entre concorrentes como Google, TomTom e Waze. Orientações e escolhas de rotas são por meio de aplicativo próprio (para Android e IOS) e razoavelmente eficientes em São Paulo. Dureza é enfrentar a massa de informações em tempo real do Waze.

CORREÇÃO: em coluna anterior ocorreu um lapso ao citar os quatro produtos inteiramente novos que a VW prepara para o Brasil na sua arquitetura mais moderna (MQB A0), a partir de 2017. Haverá a nova picape Saveiro e não a volta da Parati, pois, infelizmente, station wagons ou peruas tornaram-se desinteressantes para os compradores, voltados agora a SUVs e crossovers.

fernando@calmon.jor.br e www.facebook.com/fernando.calmon2

Documento sem título
Advertisement Advertisement Advertisement

Comentários: 0
 

Comente este artigo

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*: