ANÁLISE

ALTA RODA

Pés no chão


As dificuldades e impedimentos no incentivo ao veículo elétrico


Que o futuro dos automóveis deve ser elétrico, poucos duvidam. O problema é saber quando e como isso deve acontecer. Há dois meses um dos países mais engajados nos incentivos para a substituição dos motores a combustão, a Noruega, desmentiu haver algum prazo ou obrigatoriedade. No país nórdico carros elétricos são isentos de impostos de compra, de circulação e de pedágio urbano. Podem transitar nos corredores de ônibus, e recebem recarga e estacionamento gratuitos.

Semana passada uma proposta no parlamento alemão de impedir a venda de automóveis a gasolina ou diesel no país a partir de 2030, foi interpretada aqui como favas contadas. Não é bem assim. A aprovação depende ainda de muitos fatores, inclusive de um acordo geral com a União Europeia. Afinal, o mercado automobilístico alemão responde por um quarto de todo o continente, ao contrário do norueguês, que mal passa de umas gotas em um copo.

O avanço da tração elétrica tem mais impedimentos do que simplesmente baixa autonomia, tempo de recarga ou de como se obtém a essa energia, entre outros. Apenas um dos fatores limitantes, o custo da bateria, parece caminhar melhor. Segundo a consultoria Bloomberg, seu preço em US$/kWh caiu 65% entre 2010 e 2015, devendo ir bem abaixo disso na próxima década. A reciclagem em massa das baterias, porém, não apresenta ainda uma equação financeira plausível.

Até mesmo o modelo de negócio do carro elétrico carece de contabilidade precisa. A Faraday, que apresentou seus planos no começo do ano e conseguiu incentivos do estado americano de Nevada, está com obras e contas atrasadas. A Tesla, do bilionário e visionário Elon Musk, acumula prejuízo há 13 trimestres consecutivos. Mas isso não impedirá que seu Model S esteja no Salão do Automóvel de São Paulo, entre 10 e 20 de novembro próximo, e possa até ser testado na pista fechada do São Paulo Expo.

Voltando à Alemanha, o país tem uma meta menos ambiciosa de colocar nas ruas um milhão de carros elétricos até 2020 à custa de um pesado subsídio de 5.000 euros (cerca de R$ 20.000) por veículo. Essas contas tendem a não fechar, pois no ano passado foram vendidos no país apenas 30.000 unidades ou 1% do total comercializado. Reconhecido pelo rigor fiscal nas contas públicas, precisam combinar antes com o ministro das Finanças, Wolfgang Schäuble...

EUA e França também construíram programas de incentivos ou de abatimento de impostos a pagar para incentivar o uso de energia alternativa por parte dos consumidores. Como o elétrico ainda é um produto muito mais caro do que um carro convencional, grandes avanços técnicos ocorrem hoje nos motores a combustão e há poucos indicadores de o preço dos combustíveis fósseis voltar a patamares muito elevados, fica difícil um comprador tomar sua decisão em meio a tantas indefinições.

O fato real é que ninguém sabe quanto tempo vai durar a transição. Grandes capitais europeias podem, de fato, criar zonas centrais de exclusão para veículos com motores apenas a combustão. Mais prudente seria incentivar os híbridos, que apresentam custos mais palatáveis e significam opção com os pés no chão.

RODA VIVA

FABRICANTES, como Honda, têm suas próprias metas para 2030. A previsão é objetiva: 50% de sua produção se concentraria em carros elétricos a bateria e híbridos (não informou em que proporção), 15% de elétricos com pilha a hidrogênio e 35% com motores a combustão exclusivamente. Estes motores estarão ainda nos híbridos e, portanto, vão longe...

OUTRA previsão, dessa vez da Honeywell/Garrett, indica que em cinco anos veículos leves com motores turbo passarão de 20% para 30% na América do Sul. É mais desempenho com menor consumo de combustível. Já existem vários modelos de alto volume, produzidos aqui e na Argentina, exclusivamente turbos: VW Jetta e Golf, Chevrolet Cruze, Citroën C4, Peugeot 308 e 408.

NOVO Mercedes-Benz Classe E está mais requintado e aerodinâmico com Cx de apenas 0,23. Versão E250 (2 L/211 cv) ficou 65 kg mais leve e assim diminuiu consumo de combustível. Dos recursos de direção semiautônoma destacam-se controle ativo de cruzeiro até 210 km/h e assistente de manutenção dentro das faixas entre 60 e 200 km/h. Preços: R$ 309.900 a 325.900.

VOLVO XC90 oferece no Brasil, pela primeira vez entre os SUVs, o mais avançado dos seus sistemas semiautônomos: permite acelerar, frear e a movimentar o volante a até 130 km/h, mesmo sem seguir um carro à frente. Mas o motorista deve manter sempre as mãos no volante. Também aciona os freios se tentar virar à frente de outro carro em sentido contrário.

DENATRAN continua com sua incoerência. Não é mais preciso que o agente de trânsito use um decibelímetro para constatar excesso no nível sonoro musical de um carro. Mas milhões de veículos continuam a rodar com películas escurecedoras nos vidros dianteiros, ilegais e perigosas, principalmente à noite e em locais escuros. Em Brasília, então, nenhuma “autoridade” segue a lei.

____________________________________________________
fernando@calmon.jor.br e www.facebook.com/fernando.calmon2

Advertisement

Comentários: 0
 

Comente este artigo

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*: