ANÁLISE

Tecnologia

A Era da Internet Industrial e a Indústria 4.0


Indústria passa por nova revolução tecnológica que pode gerar crescimento econômico e empregos mais qualificados


José Rizzo Hahn Filho
A Revolução Industrial transformou a vida das pessoas, com acesso a grande variedade de produtos, novas formas de geração e distribuição de energia, meios de transporte mais eficientes e migração massiva para cidades. Recentemente, a internet encolheu o planeta e revolucionou o acesso à informação e o modo de relacionamento entre as pessoas.

Vivemos agora uma revolução tecnológica que promete transformar novamente a maneira como o mundo funciona, gerando crescimento econômico, empregos mais qualificados e elevação dos padrões de vida. A Internet Industrial já começou. Une máquinas inteligentes, análise computacional avançada e trabalho colaborativo entre pessoas conectadas para gerar profundas mudanças e trazer eficiência operacional para setores industriais diversos: manufatura, transporte, energia e saúde.

Analistas indicam mercado potencial de US$ 15 trilhões em 15 anos. Gigantes globais como GE e Intel, empresas de tecnologia, universidades e institutos de pesquisa trabalham para vencer desafios técnicos, como nível de segurança viável para troca de informações sensíveis e criação de padrões e referências para a interoperabilidade entre máquinas e dispositivos.

Para acelerar este processo e fomentar colaboração entre os participantes desta comunidade, foi criado nos Estados Unidos (2014) o Consórcio de Internet Industrial (IIC), com cerca de 250 associados de 30 países. No entendimento das empresas participantes, já dispomos da tecnologia para criar soluções inovadoras e boa parte do esforço do consórcio está em criar projetos pilotos (testbeds) que coloquem em prática as novas ideias.

A INDÚSTRIA 4.0

Foi na edição de 2011 da Feira de Hannover que o conceito começou a ser revelado ao público em geral. A Indústria 4.0, fortemente patrocinada e incentivada pelo governo alemão em associação com empresas de tecnologia, universidades e centros de pesquisa do país, propõe uma importante mudança de paradigma em relação à maneira como as fábricas operam nos dias de hoje. Nesta visão de futuro, ocorre uma completa descentralização do controle dos processos produtivos e uma proliferação de dispositivos inteligentes interconectados, ao longo de toda a cadeia de produção e logística. O impacto esperado na produtividade da indústria é comparável ao que foi proporcionado pela internet em diversos outros campos, tais como no comércio eletrônico, nas comunicações pessoais e nas transações bancárias.

Tornar a Indústria 4.0 uma realidade implicará na adoção gradual de um conjunto de tecnologias emergentes de TI e automação industrial na formação de um sistema de produção físico-cibernético, com intensa digitalização de informações e comunicação direta entre sistemas, máquinas, produtos e pessoas; a chamada Internet das Coisas (IoT). Este processo promete gerar ambientes de manufatura altamente flexíveis e autoajustáveis à demanda crescente por produtos cada vez mais customizados.

Para o sucesso do projeto, a consolidação de um único conjunto de padrões técnicos de comunicação e segurança será um elemento chave. Com ele, a troca de informações entre os diferentes tipos de sistemas e dispositivos será assegurada, eliminando-se as restrições relacionadas aos padrões proprietários vigentes.

Não cabe a este artigo explorar em detalhes os inúmeros aspectos tecnológicos envolvidos. Excelentes relatórios e publicações a respeito podem ser encontrados em uma busca na web utilizando-se o termo “Industrie 4.0”. Um bom exemplo é o material da Academia Nacional de Ciência e Engenharia da Alemanha (veja aqui. É importante frisar que boa parte destas novas tecnologias já está disponível, mas que a transição para a Indústria 4.0 não ocorrerá de forma repentina, mas sim gradualmente, com uma velocidade de implantação que dependerá de fatores econômicos e estratégicos e da capacitação tecnológica da indústria presente em cada país.

E O BRASIL, ONDE FICA NESTA REVOLUÇÃO?

O consenso entre os especialistas é de que a indústria nacional ainda se encontra em grande parte na transição do que seria a Indústria 2.0 (caracterizada pela utilização de linhas de montagem e energia elétrica) para a Indústria 3.0 (que aplica automação através da eletrônica, robótica e programação). Para termos uma ideia da nossa defasagem, precisaríamos instalar cerca de 165 mil robôs industriais para nos aproximar da densidade robótica atual da Alemanha. No ritmo atual, cerca de 1,5 mil robôs instalados por ano no país, levaremos mais de 100 anos para chegar lá.

A boa notícia é que não precisaremos passar por todo o processo de modernização fabril ocorrido nos países desenvolvidos nas últimas décadas, para só então poder abraçar as tecnologias da Internet Industrial e da Indústria 4.0. Podemos e devemos queimar etapas. O que não podemos é ignorar esta revolução, se quisermos preservar a indústria presente no Brasil e prepará-la para este novo panorama competitivo. Um cenário no qual as tecnologias de informação e de automação, e não a mão de obra de baixo custo, é que irão gerar as vantagens competitivas para as nações com setor de manufatura relevante.

A conjuntura brasileira atual, marcada por uma severa crise econômica e política, torna este desafio ainda mais difícil para o país. Precisaremos mais do que nunca de lideranças fortes e articuladores na indústria, no governo e nas instituições acadêmicas e de pesquisa.

Precisaremos também de níveis de investimento relevantes e da capacitação intensiva de gestores, engenheiros, analistas de sistemas e técnicos nestas novas tecnologias, além de parcerias e alianças estratégicas com entidades de outros países. Cada um precisará fazer a sua parte: (a) o governo com políticas estratégicas inteligentes, incentivos e fomento, (b) os empreendedores e gestores da indústria com visão, arrojo e postura proativa e (c) as instituições acadêmicas e de pesquisa com formação de profissionais e com desenvolvimento tecnológico, preferencialmente em grande proximidade com a indústria.

A Internet Industrial e a Indústria 4.0 criam também enormes oportunidades para empreendedores que atuem na área de tecnologia. Talvez como nunca antes na história da humanidade. Muito do que será necessário para converter a manufatura, os meios de transportes, agronegócio e outros setores industriais ainda precisa ser desenvolvido. Boa parte dessas tecnologias disruptivas ainda requer aperfeiçoamento, customização e a criação de soluções abrangentes que funcionem e gerem os benefícios esperados. Para mencionar apenas algumas destas novas ferramentas, precisaremos de empresas e de startups focadas em Big Data, Analytics, nuvem, segurança e automação de conhecimento na área de software e em robótica avançada, manufatura aditiva, novos materiais, energias sustentáveis e simulação no campo da engenharia.

Para empreendedores que já atuam em um dos segmentos diretamente impactados por essa revolução, vale investir tempo na formulação de um plano consistente para avaliar e aplicar as novas tecnologias em suas operações. O ideal é reunir sua equipe interna com especialistas do mercado para analisar a viabilidade e o impacto de cada uma das novas tecnologias. Na transição, uma dica é pensar grande e começar pequeno, ou seja, pilotar cada ideia, medir os resultados e expandir para toda a operação. A outra é não esperar por um momento futuro. A hora é agora, antes que seus competidores o tirem do mercado.

Comentários: 3
 

Rubens
19/09/2016 | 10h16
Se hoje no Brasil já é difícil aprovar um investimento em automação, imagina Internet das Coisas. Acredito que esteja bem distante da realidade brasileira.

Gian
21/09/2016 | 07h33
Acrescentado ao que já foi dito, estamos mais longe ainda se olharmos pelo ponto de vista dos investimentos em mão-de-obra qualificada! Nossa educação está longe de acompanhar a indústria 4.0 e as poucas instituições que podem ajudar serão insuficientes ou não formarão bons profissionais, pois a educação vem da base (também). Vê-se pelos cursos de engenharia de algumas instituições onde formam engenheiros que não sabem nem escrever corretamente (ainda).

Icaru Sakuyoshi
27/09/2016 | 11h16
A automação, robotização das fábricas no Brasil ainda encontra-se em estágio embrionário, enquanto os EUA investem pesadamente em robotização, 30.000 robôs/ano, principalmente naquelas fábricas que um dia foram enviadas para a China e hoje retornam para solo americano em um processo chamado de "reshoring", enquanto a China reage a esse processo implantando 100.000 robôs/ano, justamente para buscar produtividade e competitividade, aqui estamos em menos de 2.000/ano como bem relata o texto acima, mostrando o abismo que se criou entre as fábricas brasileiras versus países desenvolvidose e o grau de miopia do nosso governo que pouco faz para mudar essa trajetória.

Comente este artigo

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*: