ANÁLISE

AUTOINFORME

Dinheiro de cota contemplada vai direto para o banco


Seis em cada 10 consorciados deixam de comprar o carro para investir o dinheiro


A carta de crédito, que pode ser obtida por sorteio ou por lance num grupo de consórcio, pode ter o seu valor investido enquanto o dono não compra o carro. O investimento pode ser feito em Fundo de Investimento, Fundo de Condomínio Aberto ou em Títulos Públicos, todos eles rendendo juros Selic, hoje em 14,25%. Nada mau num momento em que a Caderneta de Poupança não paga mais do que 0,5% ao mês.

Essa é a razão do sistema manter 240 mil cotas contempladas cujos proprietários ainda não exerceram o seu direito de compra, para o desespero da indústria automobilística, que amarga números de vendas sofríveis em relação aos anos de 2013 e 2014. As cartas de crédito correspondem a um mês e meio de vendas e, caso fossem revertidas em compra, aliviariam a situação do setor, que trabalha com uma 50% da sua capacidade instalada.

Mas se depender da vontade dos consociados, a situação vai se agravar ainda mais. Afinal, para que investir o suado dinheirinho num momento de dúvidas na economia e incertezas na política? Ainda mais com a garantia de um rendimento acima dos papeis bancários. Os números revelam que os consumidores continuam quietinhos esperando a situação melhorar e, mais do que isso: novos contemplados estão preferindo deixar o dinheiro investido em vez de comprar o carro zero quilômetro.

Dados da ABAC, a Associação das Empresas de Consórcio, indicam que a possibilidade de usar o dinheiro como investimento tem tornado o sistema de consórcio mais atraente para o consumidor. Em 2014, 51% dos consorciados usaram o sistema como um meio para adquirir o bem, enquanto 49% o faziam como investimento. Já em 2015, penas 41% optaram pelo consórcio com o objetivo de comprar um carro, enquanto 59% o fizeram como investimento.

Os números da entidade indicam também que o consumidor está investindo para comprar carros mais caros. Há um ano o ticket médio - o valor médio do bem desejado no grupo de consórcio - era de R$ 40.900. Neste ano o valor subiu para R$ 41,200.

De janeiro a julho o sistema registrou 264.300 contemplações, o que significa um volume de R$ 10,7 bilhões, boa parte dele parado no banco, enquanto poderia estar nos cofres das montadoras.

O consórcio é responsável hoje por 64% das vendas de motocicletas no Brasil, 35% da venda de automóveis e comerciais leves e 43,3% dos caminhões. O consumidor paga sobre o valor do carro e a prestação sobre dependendo do aumento do preço do veículo-referência. Paga também a taxa de administração, que é de 13,5% para automóveis (60 meses), 17% para moto (60 meses) e 13,7% para caminhão (100 meses).

____________________________________________________
Este artigo foi publicado originalmente na Agência Autoinforme
joelleite@autoinforme.com.br

Comentários: 0
 

Comente este artigo

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*: