ANÁLISE

AUTOINFORME

Nós quem cara pálida?


O Executivo é quem deveria encaminhar a solução dos problemas


Participei na semana passada do Seminário Manufatura Automotiva, da AEA, a Associação de Engenharia Automotiva, onde se discutiu a falta de competitividade da indústria brasileira e a necessidade da construção da chamada Fábrica 4.0. O que é isso? É a linha de produção conectada com outras fábricas do mesmo setor, trocando informações, experiências e compartilhando tecnologia. Tudo na linguagem digital e feito para produzir um carro que possa disputar o mercado dos países desenvolvidos.

Se a indústria brasileira não criar condições de exportar o excedente, vai sucumbir. O setor não vai aguentar por muito tempo trabalhar com capacidade ociosa que hoje é de 52% para carros e comerciais leves e de 75% para veículos pesados.

Mas eu queria falar era da postura do representante do governo, que foi convidado para o seminário. Sobre a carga tributária ele foi enfático: disse que a carga tributária é proporcional ao endividamento do País; reduzi-la é prejudicar o déficit fiscal. Mas discursou que “é preciso racionalizar a carga tributária”. O funcionário do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços disse mais: “Nós precisamos inserir a indústria automobilística no desenvolvimento. Precisamos criar condições para a exportar, mas algo permanente, independentemente do câmbio”.

Disse também que é preciso melhorar a infraestrutura (energia, logística, portos). Sobre acordos comerciais, o representante do governo disse o seguinte: “Precisamos exportar para países com mercado mais consolidados, atender as legislações locais, precisamos avançar com isso”.

Mas “nós” quem? Tudo isso não é tarefa do governo?

Esse discurso vem justamente de quem tem a obrigação de criar as condições para o desenvolvimento da indústria, para a solução dos problemas, enfim: de quem é responsável por estabelecer um projeto para o País.

Isso é comum nos discursos dos dirigentes políticos: o presidente, o governador, o prefeito discursam indignados numa situação de adversidade. Mas não é ele, o Executivo, que tem o poder de dar encaminhamento para a solução dos problemas?

____________________________________________________
Este artigo foi publicado originalmente na Agência Autoinforme
joelleite@autoinforme.com.br

Comentários: 0
 

Comente este artigo

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*: