ANÁLISE

AUTOINFORME

Os pilares que sustentam a FCA em Betim


Reciclagem, captação de energia solar e reúso de água são as ações ambientais da fábrica mineira


Se lixo é tudo aquilo que já não tem utilidade e é jogado fora, é também uma coisa que não existe na fábrica da Fiat em Betim. O programa Aterro Zero, um dos três pilares de sustentabilidade da fábrica, dá o destino ambientalmente correto para tudo o que não vai fazer parte dos carros produzidos ali.

A Ilha Ecológica ocupa 20 mil m2 da área da planta e funciona como uma indústria de acondicionamento de materiais para serem entregues a empresas parceiras que farão a reciclagem. O único material que passa pelo processo de reciclagem na própria fábrica é o isopor, usado principalmente para embalar os motores recebidos na linha de montagem.

As placas de isopor são trituradas, recebem um choque térmico e ganham peso para melhor seguir no processo de fundição do material. O formato final do é granulado e ele se transforma em poliestireno, que será usado para a construção de vários produtos: calçados feminino, materiais de escritório, brindes, canetas etc. Só não volta a ser isopor. O processo reduz em 50 vezes o volume do isopor, o que já justifica o processamento na própria fábrica, uma vez que diminui drasticamente o custo do transporte para uma empresa de reciclagem. Mesmo que o material fosse levado para o aterro sanitário (o que não é proibido), a transformação do isopor em poliestireno contribuiria para o aumento da vida útil do aterro.

Todos os demais materiais não aproveitados na produção são destinados a terceiros para reciclagem fora da fábrica. Mesmo os refugos que vão à Cooperárvore - um dos projetos do programa social Árvore da Vida de moradores do bairro Jardim Teresópolis – são processados numa área externa construída pela Fiat, mas administrada pela cooperativa. Ali, cintos de segurança com defeito e materiais de forração de bancos e painéis são transformados numa linha completa de bolsas e carteiras.

Além dos tradicionais “três Rs” que simbolizam a sustentabilidade de materiais: Reduzir, Reutilizar e Reciclar – a Fiat introduziu mais dois Rs, o Rejeitar e o Recuperar. O Rejeitar pressupõe uma avaliação de todo material oferecido pelos fornecedores e a rejeição daqueles que poderão gerar resíduo no processo de produção. O Recuperar prevê o uso de todo e qualquer resíduo para a geração de energia, o que garante o objetivo do projeto de dar destino zero ao aterro sanitário.

Outro pilar da sustentabilidade em Betim é a estação de tratamento, que recupera nada menos do que 99,4% da água empregada na produção e também a utilizada nos sanitários e na cozinha industrial, índice atingido em outubro de 2015 e que custou R$ 4 milhões de investimento para recuperar esse 0,4 ponto porcentual a mais. Nada mal considerando que a recuperação média nesse tipo de tratamento não passa de 60%, conforme Cristiano Felix, gerente de meio ambiente, saúde e segurança do trabalho da Fiat Chrysler para a América Latina.

Ele explicou que o próximo salto na recuperação da água usada em Betim é a implantação da osmose reversa, que vai permitir alto índice de qualidade na água tratada. Dois tipos de tanques, o industrial (com água proveniente da pintura e da mecânica) e o orgânico, formam a estação de tratamento de água com sistemas de flotação e de decantação. Há cinco anos a empresa investiu R$ 12 milhões com a implantação de tecnologias para melhorar o tratamento dos efluentes, ampliando o índice de água recirculada de 92% para 99%. Em 2014, o investimento foi recuperado com a economia da água que deixou de ser captada em quatro anos.

O terceiro pilar de Sustentabilidade da fábrica de Betim é o Projeto Girassol, que testa placas orgânicas para a captação de energia solar instaladas numa frota de 25 unidades do Uno que circulam dentro da fábrica e na região de Belo Horizonte. O objetivo é captar e utilizar a energia solar no abastecimento do veículo, diminuindo o consumo de combustível. Uma placa é instalada no teto do carro e capta a luz do sol e a energia elétrica gerada é usada para atender o consumo com o ar-condicionado, a central multimídia, os vidros-elétricos e outros sistemas do carro.

Diferentemente das placas fotovoltaicas utilizadas em casas ou centrais de geração, que são pesadas e rígidas, as placas orgânicas dos carros da FCA produzidas pelo Centro Suíço de Mecânica e Microtécnica, em Belo Horizonte, são flexíveis e podem colher dados em condições reais de uso.

“Com o projeto Girassol, queremos aumentar a conversão de energia solar por metro quadrado de filme, mensurar os benefícios da aplicação dessa tecnologia em automóveis para os consumidores e criar um modelo de industrialização e comercialização da tecnologia”, diz Toshizaemom Noce, supervisor de inovação da FCA.

Este artigo foi publicado originalmente na Agência Autoinforme
joelleite@autoinforme.com.br

Comentários: 0
 

Comente este artigo

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*: