ANÁLISE

AUTOINFORME

Vendas diárias voltam ao patamar de 2005


Volume negociado este ano revela mudança de ritmo no mercado brasileiro


Lembra do mercado brasileiro em 2012 e 2013, o auge de vendas de carros e referência para a chegada de novas marcas, construção de fábricas e a esperança de o País se firmar como um dos quatro maiores mercados do mundo? Nos dois anos seguintes - 2014 e 2015 - as vendas foram caindo sucessivamente, investimentos minguando, projetos de crescimento adiados e 627 concessionárias foram fechadas. E a cada balanço de vendas, uma decepção.

É hora de entender que os tempos de 14 mil carros por dia não existem mais. Definitivamente o Brasil entrou em outro patamar. O balanço da primeira quinzena de março confirma que as vendas caíram pela metade em relação aos anos de ouro: foram apenas 80.450 carros em onze dias úteis, ou uma média diária de 7.313 unidades, metade do que o Brasil vendeu por dia em 2012, quando foi registrada média diária de 14.427 no ano.

É hora de relaxar. O setor precisa planejar as ações tendo como parâmetro exatamente metade do mercado, das expectativas, dos investimentos e das esperanças. Se no ano passado as vendas diárias se igualavam as registradas em 2007, em 2016 elas descambaram de vez. As vendas diárias este ano estão abaixo das registradas em 2005, quando foram vendidas por dia 6.804 unidades.

GM e Fiat estão praticamente empatadas na liderança de vendas, a primeira com 12,5 mil carros vendidos e a segunda com 12.494. A Volkswagen ficou em terceiro, com 10.937 e a Hyundai se mantém como a quarta marca do País, com 8.957 unidades na quinzena, na frente da Toyota (8.182) e da Ford (7.024).

Em sétimo lugar aparece a Honda e a Renault caiu para o oitavo lugar. Jeep e Nissan completam a lista das dez marcas mais vendidas.



Comentários: 0
 

Comente este artigo

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*: