ANÁLISE

RH E VIDA CORPORATIVA

Mudar a direção


É preciso encontrar motivação mesmo diante da crise


A economia anda aos solavancos. Com receio de perder o emprego, o trabalhador suspende seus gastos, o comércio agoniza, baixando a demanda das fábricas que, sem poder escoar seus produtos, começam a demitir. Espiral descendente, energia boa indo para o ralo. Como reverter essa situação?

Minha esposa é ceramista e me convidou para uma exposição da artista plástica e também ceramista, Shoko Suzuki. Era a inauguração de uma mostra permanente dela no Atelier Terra Bela, em Cotia (SP). Com 86 anos ela disse que era hora de retribuir tudo o que o Brasil lhe havia dado desde sua chegada em 1962. Shoko discursou brevemente e nos contou o que sentiu quando o navio que a trouxe do Japão aproximou-se de Santos (SP). Emocionada, disse que sentiu a energia dessa terra e que sabia que ali viveria para sempre. Dava para sentir nas palavras o impacto que sua chegada teve na sua vida e nas obras que viria a criar. Na sua arte, Shoko Suzuki retrata isso, a natureza, a força, a energia potencial que emana dela. Ali, rodeada de amigos e admiradores, o sentimento principal que permeava a exposição era de gratidão. Gratidão ao Brasil, aos amigos, à artista, ao momento grandioso que presenciávamos. Gratidão!

Tive a honra e a oportunidade de viver em cinco países distintos e em todos eles pude presenciar a cultura, os aspectos positivos e outros não tão bons. Mas de lá, distante, a gravidade verde e amarela me atingia. Sem ufanismo, numa reflexão mais transparente, entendi que independentemente de onde estivesse, algo maior, minhas raízes brasileiras me faziam sonhar com o dia em que voltaria a minha pátria. Esperança!

Confesso que algumas vezes, em face a tudo o que vivemos, tenho vontade de sair de novo. Por conforto, por segurança, por respeito aos meus impostos. Os ventos de Brasília não poupam ninguém. Mas não vou desistir da minha terra. Tenho enorme gratidão pelas oportunidades que tive, pela esposa que conheci, pelos filhos que gerei. Há momentos em que sou invadido por indignação diante dos acontecimentos. Mas sinto e sei que os brasileiros podem mais, querem mais, e vão transformar o Brasil naquilo que merecemos. Otimismo!

Lendo as notícias todas as manhãs percebo o quanto há para fazer, que as condições econômicas e estruturais pioram. Sobe a inflação, mas então lembro-me dela a 80% ao mês. Ocorrem manifestações de todos os tipos, mas então lembro-me da ditadura que as proibiam. Respiro fundo, e repito o meu mantra: gratidão, esperança, otimismo. Retomo com gosto o meu trabalho, do qual me orgulho muito, do qual sou muito grato e que me motiva a seguir adiante. Trabalho!

Deixar-se levar pela crise só aumenta a sensação de estresse e desconforto. Não é preciso ser Poliana, nem fechar os olhos à realidade. Mas é necessário ter atitude positiva. Podemos mudar a direção da espiral, torná-la ascendente, virtuosa. Gratidão, esperança, otimismo e trabalho!

Comentários: 7
 

Sergio Gabardo
03/06/2015 | 15h55
Sem mudanças não se vence crise. Crise quer dizer crie, portanto, crie e mude a direção. Parabéns pelo texto. Sérgio Gabardo

Giovann
09/06/2015 | 08h07
Bom dia! Sr.Ivan, Trabalho na area de Recursos Humanos de uma empresa.Lendo sua biografia poderia me ajudar com algumas questões: Como podemos fazer para incentivar/motivar os funcionários de uma empresa que fornece para o mercado automobilístico? De que maneira podemos lidar com o "medo" de perderem seu emprego? Obrigada

Cris Meinberg
09/06/2015 | 09h42
Ivan obrigada pelos comentários. São sempre muito bons.

Claudio Nagamatsu
09/06/2015 | 10h43
Iven, realmente é muito bom receber palavras de otimismo nesse período tão nebuloso na economia mundial e principalmente aqui na "terra brazilis". Fico mais "lisonjeado" pelo texto por ter descendência oriental...rsrsrs

Ricardo Melchiori
21/06/2015 | 12h57
Ivan, ótimos os seus insights - o momento não é de desistirmos dos nossos ideais de ajudarmos a construir um país melhor e sim de enfrentar com coragem os desafios, superando-os, para conseguirmos chegar la. Fica aqui uma frase que nos ajuda a não esquecer o que significa esperança: “A esperança tem duas filhas lindas, a indignação e a coragem; a indignação nos ensina a não aceitar as coisas como estão; a coragem, a mudá-las.” ?Santo Agostinho

Ricardo Melchiori
21/06/2015 | 12h57
Ivan, ótimos os seus insights - o momento não é de desistirmos dos nossos ideais de ajudarmos a construir um país melhor e sim de enfrentar com coragem os desafios, superando-os, para conseguirmos chegar la. Fica aqui uma frase que nos ajuda a não esquecer o que significa esperança: “A esperança tem duas filhas lindas, a indignação e a coragem; a indignação nos ensina a não aceitar as coisas como estão; a coragem, a mudá-las.” ?Santo Agostinho

Comente este artigo

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*: