ANÁLISE

INOVAÇÃO

Novos tempos exigem novas abordagens


A receita para inovar em momento de crise


Depois desta crise sobrarão dois tipos de empresas: as inovadoras e as mortas. Não é nada natural inovar em época de crise. Pelo contrário. As pessoas, e consequentemente as empresas, tendem a se contrair, concentrar-se nos custos e restringir a atuação ao essencial, esperando que os tempos difíceis passem logo e que consigam sobreviver. Por outro lado, é justamente nesse momento que as cadeias se reestruturam. É quando desembarcam empresas estrangeiras que aproveitam a disponibilidade de ativos a baixo preço e a quebradeira. O que fazer então para conseguir inovação e dinheiro em épocas de recessão?

Algumas poucas empresas vencedoras percebem oportunidades e se organizam para desfrutá-las. Lembre-se de que há sempre os que choram e os que vendem lenços. Pude confirmar isso conversando com dirigentes que participaram VI Fórum da Indústria Automobilística, realizado por Automotive Business em abril, indiscutivelmente o mais importante evento do setor. Nele, todos os anos, Automotive Business reúne líderes e especialistas para debater os cenários e movimentos estratégicos da indústria. Ficou clara nos discursos dos gestores de algumas das grandes empresas da cadeia automotiva a vocação para saírem vencedores. A mensagem deles foi: “Não podemos esperar a tempestade passar: temos que aprender a trabalhar na chuva”, destoando da maioria que se entregava à choradeira.

Ouvindo-os atentamente, percebe-se que estão colocando em prática ações nos três vetores de sobrevivência em períodos de recessão: obtenção de funding para inovar (vetor I), inovação em produtos e processos (vetor II) e inovação na gestão (vetor III). Temos explorado com sucesso essa receita há anos. Vejamos um pouco mais sobre ela.

VETOR I: funding para inovação, ou seja, obtenção de recursos governamentais para financiamento das inovações
Quando não há dinheiro para nada, é hora de buscar recursos governamentais para financiar a inovação. São múltiplos os arranjos possíveis. É preciso saber se movimentar em meio ao complexo tabuleiro que oferece um conjunto de fontes e linhas de fomento: Finep, Senai, agências regionais, fundos de investimento (inclusive europeus), entre outras. Podemos citar, por exemplo, o bem formulado programa Inova Talentos e as bolsas Rhae. Ambas possibilitam contratar engenheiros, mestres e doutores para desenvolver projetos, reduzindo os custos com pessoal de P,D&I. Há ainda o Programa Embrapii, a própria Lei do Bem (nº 11.196/2005) e outras linhas regionais e federais que complementam o leque de possibilidades. Isso sem falar do Inovar-Auto.

As empresas vencedoras estabeleceram processos para identificar e classificar as iniciativas internas de inovação e encaixá-las em cada uma das múltiplas linhas de fomento governamentais. Isso lhes possibilita preservar recursos para as atividades centrais e melhorar resultados.

Vetor II: geração rápida e efetiva de inovação em produtos e processos de fabricação
Quando há pouca gente e tempo disponível, as inovações têm de ser escolhidas adequadamente e implantadas de um jeito rápido, barato e com baixa absorção de energia. Isso pede uma espécie de “dinamizador”, ou seja, sessões de trabalho no modelo Hackathon, nas quais, em cerca de 64 horas, são geradas e prototipadas as inovações. Para tanto, usam-se as técnicas do Design Thinking, Design Driven Innovation e Prototipação Rápida, entre outras.

Vetor III: redefinição da estrutura e dos processos com foco nos resultados em mínimo espaço de tempo
É inacreditável, mas até hoje muitas empresas insistem em modelos de gestão e organogramas tradicionais. Um montão de quadradinhos que servem mais para dizer às pessoas o que não fazer do que propriamente para organizar fluxos de trabalho e acelerar a tomada de decisões. É claro que isso funciona ainda menos ainda em tempos de crise e de confiança abalada. As pessoas simplesmente se escondem atrás dos quadradinhos para sair da linha de fogo. As empresas vencedoras, no entanto, aproveitam o momento de turbulência para promover reestruturações e estabelecer desenhos organizacionais mais fluidos. Elas usam esse período para embutir em suas estruturas fornecedores, clientes, universidades e centros de pesquisa, oferecendo a eles papéis em seus processos de inovação. É hora de largar o discurso e efetivamente passar a atuar em redes. Elas são mais ágeis, baratas e eficazes do que os organogramas inspirados no exército e na igreja de séculos atrás.

As lições das vencedoras podem ser resumida, portanto, em três vetores, inovação ao centro e espírito de revolução no coração.

Bom trabalho!

Comentários: 0
 

Comente este artigo

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*: